Rosa em tudo. E mulheres, sempre, frágeis e delicadas…

Letícia F. July 20, 2012 18

Ontem li um artigo que gostaria de traduzir inteiro e copiar aqui, porque é excelente. Fala sobre essa coisa das coisas “femininas” sempre serem cor de rosa, clarinhas…

A questão já foi tratada em todos os bons blogs feministas. São os forçados papéis de gênero, sempre eles, ditando até a cor do que a gente deve gostar, do que é “adequado”.

Porque é assim desde antes de nascermos. Os futuros pais querem descobrir o sexo do bebê para poderem decorar o quartinho “de acordo”. Com o quê, minha gente? Não sei, só sei que quando a menina nasce já teve chá de bebê cor de rosa. Ela está fadada a usar roupas dessa cor até finalmente se dar conta de que é totalmente aceitável – e deveria ser incentivado – que ela não tenha nenhuma peça rosa no armário inteiro.

Pode parecer exagero para quem nunca pensou muito a respeito. Não é. Nos Estados Unidos, onde se encontra de tudo nas prateleiras, as coisas chegam ao nível do surreal. Até os produtos para proteção pessoal (como embalagens de spray de pimenta ou aqueles aparelhinhos que dão choque) estão sendo fabricados com ~toques femininos~.

pink pepper spray Rosa em tudo. E mulheres, sempre, frágeis e delicadas...
Spray de pimenta cor de rosa

“Ai que fofo, quero um!”, diriam algumas mulheres. Pense duas vezes. Você realmente precisa de um spray de pimenta ou um teaser rosa? Não, não estou falando sobre consumo.

Neste artigo, Rebecca Hoffman fala da propaganda patética feita para anunciar a nova linha de artigos de defesa pessoal, sexista como sempre. “Esse tipo de marketing só serve para diminuir as mulheres e suas razões para querer uma arma”, diz a autora (tradução minha).

O mascote utilizado na campanha é um robô cor de rosa usando sainha e top. E ela diz coisas do tipo “[os produtos] fazem um homem chorar que nem mulherzinha!”. Como é que algo voltado às mulheres pode diminuir… as mulheres? Porque não sei se fica claro para todo mundo, mas “chorar que nem mulher” quer dizer que somos frágeis, descontroladas e indefesas! Não é exatamente o contrário do que uma mulher que procura meios de se proteger precisa? Ela busca se sentir segura, forte e capaz.

A partir do texto de Rebecca Hoffman, Lindy West escreveu um sarcástico texto para o Jezebel gringo. “Sei que todas lembramos daqueles tempos sombrios antes de armas cor de rosa serem inventadas – quando a única defesa de uma mulher era oferecer ao criminuoso uma travessa de deliciosos cookies (huuuuummmm!!!) e depois ficar em posição fetal. Afinal, o que poderíamos fazer? Usar produtos de cores normais? Tipo os usados pelos homens? Que horror!!!”

“É óbvio que as mulheres podem comprar o que quiserem, mesmo que o produto seja estúpido. Eu gosto de muitas bobagens que me deixam super feliz,  como Otter Pops e brincos fuleiros da Claire’s. Isto posto, VOCÊ TÁ DE SACANAGEM COM A MINHA CARA, MANO? Nós não conseguimos tratar as mulheres como adultas mesmo quando estamos literalmente tentando ajudá-las a não serem estupradas?

O fato de que muita gente não leva as mulheres a sério não está em questão. É verdade. Mas como as mulheres serão levadas a sério se nós as ensinamos a se comportarem como crianças frívolas? A chance das mulheres serem predispostas geneticamente a quererem tudo em rosa é zero. “

Daí a autora lembra de quando trabalhou em uma loja e perto do caixa havia um display com alicates cor de rosa. Ela conta que a dez metros dali uma mulher era atendente na seção de ferramentas, onde se vendia “alicates de verdade que não quebravam simplesmente porque uma borboleta fez cocô nas calças no Japão ou algo do gênero”. “Mas não, as mulheres queriam os alicates bonitos. E, ainda pior, os homens realmente queriam comprar aqueles apetrechos para as esposas.”

ferramentas cor de rosa 1.jpg Rosa em tudo. E mulheres, sempre, frágeis e delicadas...

Você tá pensando que são só alicates? Tem martelo, estilete…Tudo bem ~feminino~

Oh, eles são perfeitos para a minha esposa!  Por quê? Por que ela é imaginária e mora no lixo, onde é o único local possível para esses alicates? Oh, minha esposa vai adorar isso! Sério? Porque ela ama qualquer tralha inútil desde que tenha uma merda de uma flor? Quem é a sua esposa – uma abelha de desenho animado que se apaixonou por uma pintura de um jardim porque é estúpida demais para entender que é uma ilustração? Sério, meu senhor. Eu odeio você e sua esposa-abelha.

Agora, meu arqui-inimigo (alicate) é uma coisa. Mas aplicar essa estética arbitrária para produtos cuja única função é salvar a vida das mulheres me insulta tão profundamente que faz minha vagina chorar. Segurança não precisa “estar na moda”. Autodefesa não é um joguinho. Pessoalmente,  prefiro saber que o fabricante do meu spray de pimenta estava mais preocupado em fabricar um produto que funciona do que em fazer uma embalagem estilosa que pode ser “usada do dia e à noite”. Mulheres podem usar “brinquedos de garotos”, nós podemos priorizar qualidade e não estética,  nós podemos viver num mundo que não foi deixado “mais feminino” ou “mais cor de rosa” para nós, e, claro, nós podemos gostar de coisas bonitas também. Eu gosto de coisas bonitas. Mas gosto ainda mais de ser tratada seriamente como um ser humano.”

Compartilhe!
  • more Rosa em tudo. E mulheres, sempre, frágeis e delicadas...

18 Comentários »

  1. Mônica July 20, 2012 at 08:46 - Reply

    Acho que meus pais, de certa forma, sempre quebraram aspectos do sexismo ao me criar. Por exemplo, quando eu era bebê, mesmo quando meus pais já sabiam que eu seria uma menina, decoraram meu quarto de verde água.

    Mamãe mesmo fala que queria fugir desses estereótipos de azul/rosa. Pretendo fazer a mesma coisa com os filhos que terei.

  2. Si (Simone) July 20, 2012 at 09:40 - Reply

    Eu sempre associei o cor-de-rosa não à mulheres, mas à meninas – crianças. Pra mim sempre pareceu natural que tão logo se tornassem adultas, as mulheres esquecessem essas ‘preferências’, até mesmo como sinal de amadurecimento. Tanto que mulheres adultas aficionadas por cor-de-rosa são geralmente associadas a imaturas, frágeis e inocentes – ou seja, características infantis. A última vez em que vi objetos do dia-a-dia em tons de rosa foi quando montei minha casa da barbie (até uns 12 anos), e ja na época achava exagerado. Depois disso, acho uma bobagem sem tamanho.

  3. lorena July 20, 2012 at 16:21 - Reply

    ótimo post. quando falo pra alguém sobre essa imposição de cor sobre crianças ou bebês as pessoas se espantam, argumentando: mas rosa é de menina e azul é de menino…
    Coisa boba pra mim mas parece que não é pra muita gente.
    Quem disse isso? Quem disse que mulher tem que cozinhar, passar, lavar louça (ODEIO), cuidar dos filhos? E homem tem que trabalhar e sustentar a casa.
    Muitas pessoas reproduzem isso sem nem ao menos questionar.
    Lamentável!

  4. Juliana July 20, 2012 at 17:41 - Reply

    Afinal, o que poderíamos fazer? Usar produtos de cores normais? Tipo os usados pelos homens? Que horror!!!” <<<< Essa foi otima!!!!

    Mas olha, essa sempre foi minha briga com meus pais. Não tem que existir coisas de meninos e coisas de meninas. Cada pessoa tem que gostar de cada coisa e não cada sexo…

  5. Fabi July 20, 2012 at 18:19 - Reply

    Essa semana coloquei no twitter uma critica as propagandas de produtos de limpeza em que só mulheres aparecem fazendo o serviço doméstico. Ou seja, em td somos condicionadas a nos tornarmos pessoas frágeis e que devem servir e que devem usar produtos q nos diminuam e que o prudente e fazer isso e aquilo e que a cor vai determinar nosso caráter ou sei lá o que.
    As vezes me canso d td essa dessa coisa td, e muito desestimulante lutar e vir esse povo com essas ideias horríveis e ainda serem portados de td atenção.

  6. Ju Selise July 20, 2012 at 23:33 - Reply

    Meus pais nunca tiveram esse tipo de postura, eu usei tudo que é cor quando bebê, era fascinada por roupas azuis no primário, tinha autorama, carrinhos e jogava bola na rua, tinha o joelho estourado e de vez em quando usava vestidos. Foi muito bom pra mim e isso não me fez lésbica. Não que eles não fossem me aceitar se eu fosse, mas usar roupa azul e brincar com Transformers e Comandos em Ação não afetou em nada minha orientação sexual, só me fez segura para gostar do que eu quiser.

  7. Caroline July 21, 2012 at 01:06 - Reply

    Hahaha É incrível como uma coisa aparentemente simples pode trazer tanto machismo ou sexismo, seja lá como preferir. Acho terrível essas expressões – chorar feito mulherzinha- e dita por uma mulher é de doer..nuss…vergonhoso mesmo.
    Adorei esse texto.

  8. MaryL July 21, 2012 at 09:06 - Reply

    ditadura da mulher rosa: roupas rosas, utensílios rosas, mamilos rosas, bucetas rosas…

  9. Si (Simone) July 22, 2012 at 11:12 - Reply

    Mas eu tenho q dizer, nem sempre essa diferenciação sexista vem dos pais. Por ex., na minha casa somos muitos irmãos (11 filhos), a metade ainda crianças, sendo 1 menino e 5 meninas. Todos são criados da mesma forma, com as mesmas obrigações, os mesmos brinquedos, as meninas dividem as roupas, todos dividem o quarto. Quando tinha 3 anos o menino ganhou um boneco Max Steeal e quando perguntaram o nome do boneco ele disse q era o Ken! rs
    Das meninas, uma é toda patricinha, gosta de rosa, tem forte tendência à futilidade (estamos trabalhando p isso mudar antes de chegar à adolescência, pelo menos! rs) enquanto a outra, que tem a mesma idade, não liga pra nada disso, adora cavalos e brincar de bola na rua com o irmão.
    Todos criados sem nenhuma diferença, com liberdade. Mas cada um tem sua particularidade, preferência e ainda assim, as meninas preferem o rosa…

    • Letícia F. July 22, 2012 at 15:44 - Reply

      Si, a nossa educação não vem só dos nossos pais. Elas têm coleguinhas, veem TV, etc, etc.

      • Si (Simone) July 22, 2012 at 21:28 - Reply

        Verdade Le, e é aí que entra a questão social. Quando meu irmão chamou o MacSteeal de Ken, dentro de casa a reação foi de achar graça, mas qdo contei p algumas pessoas, disseram p termos cuidado pq um menino criado com tantas meninas poderia ficar afeminado. Mas a gente nunca se preocupou com isso pq sabemos que ñ é isso q vai definir a sexualidade dele… E nem das meninas, por brincarem de futebol com ele.

  10. Li July 22, 2012 at 17:09 - Reply

    quando eu era criança (mesmo muito pequena) eu detestava rosa e adorava azul. eu odiava ser considerada frágil e delicada e ser diminuída quando comparada aos meninos.

    será que eu sempre fui feminista?

  11. Andrieli July 22, 2012 at 18:14 - Reply

    eu adoro rosa (agora mesmo estou usando um esmalte rosa), adoro batom rosa, e tenho mesmo algumas peças rosas (lingerie, mesmo uma camisa listrada…). mas isso é uma opção pessoal, em alguns detalhes e não é algo que eu uso todos os dias como acessório obrigatório. o que irrita é essa necessidade como que “para dizer que sou mulher preciso ter tudo rosa”. ué, hoje em dia não deveria mais haver esse tipo de coisa, as pessoas são o que querem e decidem por si. minha irmã odeia tudo que tem rosa ou que pareça “menininha”. então, é tudo uma questão de gosto, acho que existe um limite, óbvio, mas também, cada um decida o seu. o chato é parecer que tudo de mulher tem que ser rosa ou assim ou assado…

    • Letícia F. July 22, 2012 at 18:25 - Reply

      Exato! Não é problema gostar de rosa, o problema é que às vezes a gente nem tem a opção.

  12. Hellem G. July 23, 2012 at 02:09 - Reply

    Eu gosto de conhecimento, tanto que nem o facebook escapa. Mas nesses ultimos tempos fiquei surpresa com a quantidade de idiotice que as pessoas postam. Excluir varias páginas que havia curtido e também pessoas que compartilhavam esse tipo de conteudo, tenho 17 anos, não quero fingir que sou cega, rir dessas coisas e continuar da mesma forma. Sou muito religiosa mas nada explica o que eu vi semana passada, um site religioso publicou uma imagem no mínimo nojenta! Mostra espermatozoides supostamente tentando chegar no lugar “certo”, logo abaixo um casal homosexual com a mensagem da igreja que isso é contra a natureza e não há nada que “céticos” possam usar para se defender. Garotas compartilham fotos como “não quero vagabunda no meu face”, “diz que quer encontrar o amor da vida mas vive se acabando na balada”…realmente eu acreditava que seríamos umas geração mais inteligente.

  13. AninhaÓ July 23, 2012 at 15:48 - Reply

    OBRIGADA por escrever esse texto!!! Gente, tem HORROR a essa ditadura do rosa!!! Credo! Tenho uma escola de mergulho e até aqui a ditadura do rosa chegou! Agora todos os equipamentos tem a versão “lady”, que é rosa!!! E o pior de tudo e que me incomoda muito é que algumas mulheres entram aqui, nem perguntam pra que que o produto serve, a diferença entre os modelos, a qualidade, nada, apontam pro que é cor de rosa e dizem: “quero esse!!!!”. Fico chocada. E extremamente preocupada. Porque essas coisas vendem! Muita mulher não tem preocupação nenhuma com o que está comprando desde que seja rosa! Prioridades estão meio invertidas. Nada contra gostar e até preferir coisas rosa, mas desde que vc não leve porcarias só pq são rosa!! Eu continuo aqui gostando do pretinho básico, azuis e verdes e já falei que um dia vou ter um filho, comprar um macacão rosa pink, escrever “I’m a boy” e colocar nele na rua.

  14. Camila July 24, 2012 at 16:17 - Reply

    Adoro seu blog, entendo sua opinião mas, acho um exagero. Do mesmo modo nao preciso usar preto pra provar que nao sou uma ‘menina’, amo rosa, amo laranjo, amo azul, e talvez me sentisse mais atraída por uma embalagem de spray pink ou de oncinha. Mulher não e sexo frágil mas mulher não é igual homem, nunca será, por isso nao gosto de ‘feminismo’ idealista

    • Letícia F. July 24, 2012 at 16:41 - Reply

      Quem disse que você não pode usar rosa?

Comente »